26 de janeiro de 2012

Tecnologia esportiva

No último UFC, por coincidência realizado no Brasil, uma situação delicada aconteceu. O juiz Mário [que mário] (também brasileiro) acabou desclassificando um competidor afirmando que o mesmo havia realizado um golpe ilegal.
Não acho que tenha ocorrido favoritismo até porque o rival tambem era brasileiro, mas o que chama atenção é que o esporte com maior índice e constante crescente vem ganhando milhares de adeptos e nem todos conhecem as regras.
Nem entrarei na questão de muitos não entenderem nada, nunca terem treinado alguma arte marcial e simplesmente dizer a bobagem "é violento".
A ideia é que o esporte está seguindo os passos da NFL americana. Juizes com autonomia de parar o jogo e reavaliarem nas imagens gravadas se o lance polêmico foi ou não legal.
Na NHL (hoquei) testaram cerca de dez anos atras inserirem um chip dentro do Puck (disco = bola) e assim os jogos televisionados, er apossível acompanhar com exatidao o rastro de onde foi aonde esta o disco.
No futebol tentaram implantar o chip para eletronicamente decidirem se a bola passou ou nao a linha do gol, para assim afirmar categoricamente que valeu ou nao o gol.
Mas o futebol já passou por muitas alterações. Houve época que em campo ficavam dois juizes; noutra aumentaram o tamanho das traves (Me recordo dessa alteração. Na época, acho que o Ronaldo, goleiro do Corinthians disse que os goleiros estavam "pegando tudo" e aumentaram a largura x altura, com sarcasmo alegou que se continuassem agarrando as bolas, as traves iriam de escanteio a escanteio). Entre tantas outras "evoluções" do esporte.
E nada deu certo.
O futebol, esporte de massa, povão... existe porque causa discussão. A exatidão faria do jogo um engessamento de técnicas e situações.
Esse esporte é movido pela discussão, torcidas, incertezas com a famosa frase "e se...". E isso faz ele continuar sendo um dos mais populares. O juiz continua sendo humano, passível de erros e provocador constante de discussões e variantes. Gerador de possibilidades e situações adversas.

Nenhum comentário: